domingo, 5 de dezembro de 2010

Crônica do Natal Iluminado

Bom, cá estamos nós nos encaminhando para o Ho-ho-ho's Day! Natal, o dia do nascimento de Cristo, uma data especial onde refletimos sobre nossas ações ao longo do ano, fazemos uma auto-análise para ver se fomos suficientemente humanos, lembramos de pessoas queridas que estão longe ou que, infelizmente, não estão mais entre nós. Com tudo isso é impossível não ficar melancólico.
Acho o Natal lindo quando o vejo através da TV. NY é fantástica com todas aquelas luzes e decorações extasiantes, sem contar com a árvore do Rockfeller Center e a vitrine da Macy's, dá vontade de ficar preso na tela para congelar esse "clima"; a Champs Elysèes toda iluminadinha... Aí a gente sai e olha as ruas do Rio de Janeiro e se desanima, pois a própria cidade se encarrega disso! Gente, tirando a árvore de Natal da Lagoa, que é um oferecimento de uma empresa privada, e algumas poucas fachadas de bancos e shopping centers, não há mais nada para ser visto. Ou as pessoas estão ficando "pão duras", ou o espírito natalino foi alvejado por alguma bala perdida, porque não há mais pisca-piscas nas varandas e janelas das casas e apartamentos. Pelo menos no Centro e na Zona Sul. Para não dizerem que estou sendo muito dura, em alguns prédios da Lagoa, da Vieira Souto e de outras áreas nobilíssimas, ainda é possível ver belas decorações, mas o quê aconteceu com as demais residências.
A Prefeitura passa o ano inteiro correndo atrás de camelô, dando choque de ordem nas praias, armando para extorquir um pouco mais a população com uma cretina taxa de iluminação pública e nem ao menos se digna a enfeitar a cidade!!! Tudo bem que não dá pra decorar cada cantinho de cada bairro, mas pelo menos os pontos mais visitados pelos turistas e também pelos cariocas. Imaginem se a Candelária estivesse iluminada por várias microlâmpadas, as árvores da Enseada de Botafogo, o bondinho do Pão de Açúcar ou o Cristo Redentor, a praça N.S. da Paz, o Maracanã com um gigantesco Papai Noel, o canteiro central da Av. Atlântica com luzeszinhas piscantes? Tá ficando mais bonito? Será que nosso edil não poderia estudar um programa de incentivo à decoração das residências?
Moro em um bairro tradicionalíssimo da Zona Sul do Rio e aqui dá até depressão nessa época, parece que você tá passando o Natal num mausoléu; acho até que o S. J. Batista é mais animado! Todos se fecham dentro de seus apartamentos e comemoram egoísticamente com suas famílias e amigos; não se soltam fogos, não se ouve Noite Feliz nem Jingle Bells, só o alarme de algum carro atingido por um bêbado deprimido pela data.
Espero que neste 2010 as coisas sejam diferentes, mais felizes e pelo menos com um pouco mais de paz para nossa população. Que brilhem as luzes artificiais, mas, sobretudo, a luz que existe em cada cidadão carioca.

Um comentário:

Márcio Calixto disse...

Que crônica primorosa! Sério, um senhor texto. Eu concordo em cada centímetro do que escreveste. Aquele espírito festivo de encantamento com o brilho, com a época, parece estar se esvaíndo.É uma pena!

Comentário Rápido